quinta-feira, 14 de junho de 2012

Senhor eu quero perdoar para ser perdoado !


Conta-se uma história acerca dos primeiros missionários em uma determinada parte do Canadá. Eles chegaram até a aldeia de uma tribo de índios, onde sofreram forte perseguição de um cacique. Contudo, com o tempo, aquele cacique decidiu aceitar o evangelho. Pouco tempo depois, um membro de uma tribo inimiga matou o pai desse chefe. Imediatamente, ao saber da morte de seu pai, ele foi até a vila onde o assassino vivia e exigiu que esse fosse trazido a ele. Ao se ver frente a frente com o homem, esse chefe disse: “Você matou meu pai, por isso, agora, você deve ser meu pai. Você vai andar no meu melhor cavalo, e vai vestir minhas melhores roupas”. Em completo espanto e remorso, seu inimigo exclamou: “Meu filho, agora foi você que me matou!”. Claro que o que ele quis dizer foi que o ódio que enchia aquele coração foi apagado pelo perdão e pela bondade demonstradas para com ele.
Isso é uma pequena ilustração que nos faz pensar: Será que você teria sido capaz de exercer o perdão dessa forma? Será que você conseguiria fazer isso com alguém que tivesse feito mal a alguma pessoa de sua família, ou a você?
E quanto a perdoar seu cônjuge, seus pais, ou seus filhos? É você capaz de exercer esse tipo de perdão? De dar oportunidade a recomeçar, ou a construir algo novo?
Por que o perdão?
Um famoso psiquiatra americano, de nome Karl Menninger, disse certa vez que se ele pudesse convencer os pacientes de um hospital psiquiátrico que seus erros estavam perdoados, 75 por cento deles receberia alta no dia seguinte.
O perdão é uma necessidade de todas as pessoas. Todos cometemos deslizes, machucamos ou ferimos alguém. Deveríamos ser capazes de reconhecer isso e pedir perdão. Mas, muitas pessoas têm muita dificuldade de fazer isso. Outras no entanto acham quase impossível conceder o perdão. Muitas delas pensam assim porque não entendem o que o perdão significa.
Perdoar não é o mesmo que deixar que a mágoa vá embora, esquecer completamente o que a pessoa fez, e recompor os sentimentos de amor e carinho que nutria pela pessoa antes de ela errar. Isso é impossível. Isso demonstraria que ou aquela pessoa não tinha sentimentos verdadeiros, ou que estaria mentindo ao dizer que perdoava.
O perdão não é fazer de conta que nada aconteceu. As coisas que machucam ficam marcadas em nós. Algumas pessoas nunca chegam a esquecer o que alguém lhes faz. Guardam isso por muito tempo, até anos.
No casamento, na vida íntima com outra pessoa, perdoar parece ser ainda mais difícil. Algumas pessoas nunca tomam tempo para sentar e pedir perdão, demonstrando real arrependimento pelo que fizeram. Preferem simplesmente fazer de conta que está tudo bem. O que essas pessoas não percebem é que aquilo que não resolvemos hoje, aparecerá com mais força amanhã, e tornará ainda mais difícil o processo de conviver. Muitos casais vão permitindo que as mágoas, tristezas, ressentimentos, comecem a construir um muro de separação entre eles, fazendo com que as coisas fiquem ainda mais difícil.
Agora, independente do que a pessoa sinta ou pense, precisamos deixar claro que o perdão precisa ser dado. Para a saúde da própria pessoa, é necessário que ele ou ela demonstre perdão. Mas, precisa entender o que realmente o perdão significa.
Entendendo acerca do perdão
A primeira coisa a considerarmos é que se precisa haver perdão, entende-se que um erro foi cometido, que algo sério aconteceu. Só irritação não exigem perdão, exigem negociação. Mas, quando algo mais profundo, que machuca mais acontece, precisamos entender que naquele momento o perdão se faz necessário.
Perdoar significa destruir os muros de separação, aliviar a pena devida pelo erro. Significa abrir mão do direito que a pessoa tem em devolver com a mesma moeda. É não tomar a decisão de não trazer mais o tema à tona, ou usá-lo para chantagear ou barganhar com a pessoa.
Sim, perdoar é uma decisão. Você decide oferecer graça em vez de justiça. Só que há responsabilidades a serem vistas, pois o perdão não evita as consequências.
Em primeiro lugar, precisa ficar claro que o perdão não apaga as lembranças. Sim, há uma decisão de não ficar remoendo, ou ficar jogando o tema na cara, mas isso não quer dizer que a pessoa nunca mais vai lembrar disso. Com o tempo, a dor causada pode diminuir, mas vai ser muito difícil desaparecer completamente a ideia da mente. E ficar lembrando não quer dizer que você não perdoou, apenas que aquilo machucou profundamente.
Em segundo lugar, o perdão não remove as consequências do erro cometido. Precisamos entender claramente o fato de que todo comportamento, ato ou atitude tem consequências. Por isso, precisamos ter consciência que mesmo perdoados, deveremos lidar com as situações que causamos.
Em terceiro, devemos lembrar que o perdão não reconstrói a confiança de uma hora para a outra. O perdão é a decisão de seguir no caminho e dar tempo para reconstruir a confiança perdida, mas não há previsão de tempo ou garantias de que tudo voltará a ser como antes. Lidar com menos confiança, ou com a confiança perdida pode ser uma das consequências que teremos de carregar pelo resto da vida.
Por fim, o perdão nem sempre significa reconciliação. Há certos erros que são cometidos que podem significar o fim de uma bela história. Algumas pessoas podem perdoar, mas talvez não serão capazes de continuar juntos com a pessoa que os machucou. Essa também significa uma consequência que temos que estar prontos a enfrentar.
Acima de tudo, ao falarmos de perdão, não se esqueça de confessar seus erros e buscar a força para não voltar a cometê-los com a pessoa de Cristo. Perdão verdadeiro e segurança para o novo começo só vêm da certeza constante de que somos perdoados por Jesus. É nEle que encontramos a verdadeira paz e coragem para enfrentar as consequências dos nossos erros, e a permanecermos fiéis ao que decidirmos fazer. E Jesus nunca te deixou por isso Ele te leva a perdoar !
Que Deus abençoe sua família


Image du Blog perolascraps.centerblog.net